Estabelecer uma operação global para o seu e-commerce é uma estratégia que pode trazer inúmeros benefícios e crescimento ao seu negócio. Para atingir o mercado internacional, uma das primeiras etapas é abrir sua empresa nos Estados Unidos. Entenda como fazer isso!  

Nos últimos anos, os empresários brasileiros presenciaram um mercado nacional inconstante, principalmente com a chegada do COVID-19, que trouxe uma série de dúvidas e instabilidade econômica. Nesse cenário, foi preciso se reinventar e pensar em novas possibilidades para os negócios. 

Empresas que trabalhavam apenas com lojas físicas, por exemplo, sentiram a necessidade de buscar a sua presença digital como forma de continuar com as vendas. Apesar dos esforços, ainda há a recessão econômica do Brasil, sinônimo de insegurança. 

Pensar em expandir as operações de forma global pode ser uma estratégia de negócio vantajosa e a resposta para inseguranças geradas pela economia. Você passa a negociar em outras moedas, como o dólar, e não fica sujeito às oscilações do mercado nacional. 

Uma das primeiras etapas para começar seu e-commerce global é abrir sua empresa nos Estados Unidos. Além de ser uma porta de entrada para o mundo todo, o país é conhecido por trazer grandes oportunidades. 

Por que abrir uma empresa nos Estados Unidos? 

Os Estados Unidos são conhecidos por proporcionar oportunidades de negócio e, quando falamos sobre e-commerce, existe um enorme potencial a ser explorado: apenas em 2020, o volume de vendas geradas por lojas virtuais foi maior do que US$780 bilhões. 

Outra grande vantagem é a possibilidade de exportar para outros países com impostos bem menores, se comparados ao Brasil. Ainda, vale lembrar que suas negociações serão em dólar, o que traz mais credibilidade para a sua empresa e evita que você fique sujeito às variações monetárias do seu país. 

7 passos para começar seu e-commerce global 

Agora que você já entendeu as vantagens de expandir suas operações para o mercado internacional, vamos aos sete primeiros passos para iniciar sua nova jornada empreendedora nos Estados Unidos. 

1. Defina um nome 

Antes de tudo, use sua criatividade para escolher o nome da sua empresa. Talvez você tenha um nome definido no Brasil, mas vale analisar se ele faz sentido para o público de outros países. 

Lembre-se de que é preciso conferir se o nome escolhido por você já está em uso no estado em que vai atuar. Para isso, você pode usar a ferramenta free criada pela Company Combo.  

2. Escolha um estado 

Nos Estados Unidos, é preciso escolher um estado para registrar seu negócio e essa é uma decisão importante para seu e-commerce. Afinal, as condições e impostos variam de acordo com o local. 

Grande parte dos brasileiros opta pela Flórida, conhecida por sua hospitalidade e altas temperaturas no verão. Além de ser um polo logístico para e-commerces, por concentrar warehouses, ou depósitos em sua tradução literal, responsáveis pela logística de lojas virtuais. 

Apesar disso, há outras opções interessantes, como Delaware, que apresenta uma série de vantagens, como a isenção de Impostos de Renda Estadual para empresas que não possuem operação física no estado. Entenda melhor neste artigo.  

3. Informe-se sobre as categorias 

Em seguida, será preciso escolher a categoria da sua empresa: LLC ou C CORP. Elas são similares aos modelos usados no Brasil, LTDA e S/A, respectivamente, e têm o objetivo de distinguir a pessoa física da jurídica.  

Com a LLC (Limited Liability Company), o lucro da empresa deve ser dividido entre os sócios no final do ano, obrigatoriamente. Nesse caso, não há necessidade de pagar impostos como empresa, uma vez que a declaração será feita pelos sócios, como pessoa física. 

Já com a C CORP (Corporation), não é preciso redistribuir o lucro entre os sócios, mas existe a desvantagem da dupla tributação: pagamento de impostos, inicialmente, a nível corporativo, referente ao lucro líquido da empresa. Em seguida, um novo pagamento, quando os lucros são distribuídos aos acionistas.  

Outra característica que diferencia as duas categorias é a possibilidade de receber investimentos. Caso façam parte do seu plano de negócio, a C CORP é mais indicada. 

4. Prepare a documentação 

Todo o processo de abertura de empresa pode ser feito de maneira remota, portanto, se essa for sua escolha, você não precisará de um visto, necessário apenas para a entrada no país. 

Para iniciar suas operações, você deve solicitar apenas o EIN (Federal Employer Identification Number), um número fornecido pelo Departamento de Receita do Governo Federal Americano. Por meio dele, você registra as transações da sua empresa e garante que os impostos sejam pagos adequadamente. 

5. Contrate um endereço virtual nos Estados Unidos  

Vale lembrar que para receber as correspondências enviadas pelo governo americano referentes à sua empresa, é preciso contratar um endereço virtual, que ficará nos Estados Unidos

6. Abra um conta bancária nos Estados Unidos 

Para conseguir fazer transações financeiras, é necessário abrir uma conta em um banco nos Estados Unidos. 

Uma dica é conhecer o globalfy, empresa americana de serviços financeiros pensada para estrangeiros. Para abrir a conta, não é preciso ter o SSN (Social Security Number) ou ITIN (Individual Taxpayer Identification Number), basta apresentar um passaporte válido. Conheça todos os benefícios neste link.  

7. Busque a parceria de profissionais que podem contribuir com sua jornada 

Após a abertura da conta, você estará pronto para começar sua operação de e-commerce global. Esse é o momento de escolher seus canais de vendas, que podem ser marketplaces, como Amazon, eBay e Wayfair, ou seu próprio e-commerce. 

Para realizar a expansão internacional do seu negócio, é importante contar com a ajuda de profissionais que vão orientar você em sua nova jornada. A Company Combo, por exemplo, faz o processo de abertura de empresa por valores que começam em US$499 e ainda oferece serviços, como o de fulfillment, para a consolidação do seu processo logístico nos Estados Unidos.   

Para saber mais, entre em contato