Os marketplaces são responsáveis por grande parte do consumo no ambiente virtual e tem atraído, cada vez mais, vendedores que podem oferecer seus produtos online sem a necessidade de desenvolver um e-commerce próprio. Saiba como é possível vender em plataformas online e de forma cross border, ou seja, para fora do seu país de origem!

Marketplaces são plataformas que permitem a venda de produtos ou serviços por vendedores terceirizados, de diferentes áreas. Toda a estrutura, segurança e processamento de pagamentos ficam por conta da empresa responsável pelo e-commerce. 

Para os vendedores, além de evitar custos com o desenvolvimento de uma plataforma própria e organização de toda logística, existe o benefício de anunciar em sites de grande alcance e renome. 

Já para os consumidores, uma grande vantagem é encontrar variedade de produtos e serviços em um só lugar, além de contar com a segurança oferecida pelo marketplace, seja na hora de realizar o pagamento online, seja para ter o resguardo da política de devoluções quando uma mercadoria chega com defeito ou mesmo não corresponde às expectativas.  

Para os moradores da América Latina, um exemplo popular é o Mercado Livre, que em 2020 tornou-se a maior empresa em valor de mercado da região, e com certeza você já conhece ou mesmo já teve a experiência de comprar algo na plataforma. 

De acordo com pesquisa publicada pelo Statista, numa perspectiva global, a maioria dos consumidores (71%) prefere realizar uma primeira compra em loja física, mas, na hora de repetir a compra, o marketplace é o local preferido, com 37% dos votos. Num total, três quartos das compras repetidas são feitas online. 

Se você é um empresário que trabalha na área de e-commerce em seu país de origem, pode  também expandir suas operações e começar a vender em marketplaces com operações internacionais, como Amazon e eBay. Entenda melhor neste conteúdo! 

Por que vender para os Estados Unidos por meio de marketplaces? 

Nem todo mundo sabe, mas é possível vender para o mercado norte-americano sem sair de casa. Hoje em dia, você conta com estruturas completas nos Estados Unidos que permitem a comercialização de produtos e serviços no país, tudo de maneira remota. 

Apenas em 2020, o total de vendas geradas por lojas virtuais no país atingiu o montante de US$787.9 bilhões. Em comparação ao ano de 2019, que acumulou um total de US$595.7 bilhões, o crescimento foi de 32.2%. Confira o crescimento ano a ano no gráfico abaixo. 

Para atuar no mercado norte-americano, será preciso começar com um investimento em um e-commerce próprio ou, como você já sabe, contar com marketplaces, como a Amazon. Se sua opção for desenvolver sua própria plataforma, existem alguns custos extras, porém, caso sua escolha seja vender em e-commerces terceirizadas, você tem as vantagens de contar com marketplaces de muita visibilidade e, ainda, o seu investimento é menor, o que torna essa opção interessante, principalmente, para quem está começando com suas operações internacionais.       

Conheça opções de marketplaces para vender nos EUA

Além da Amazon, que já citamos ao longo deste conteúdo, você tem a possibilidade de estar em plataformas como eBay. Dependendo da área de atuação, o Wayfair, responsável por grande parte das vendas de móveis no país, também é uma ótima opção. Vamos entender melhor sobre cada uma dessas plataformas. 

  1. Amazon 

A Amazon segue como a maior varejista do ambiente virtual nos Estados Unidos. Em 2020, seus vendedores geraram um total de US$300 bilhões em vendas, montante que representa um aumento de US$100 bilhões, se comparado ao ano anterior. Já o volume total bruto de mercadorias (GMV), incluindo as vendas da própria Amazon, foi de quase US$490 milhões.

  1. eBay 

Enquanto isso, o eBay foi eleito, em 2020, como marketplace mais popular pelos vendedores. Os resultados da pesquisa foram baseados em quatro áreas principais: lucratividade, atendimento ao cliente, comunicação e facilidade de uso.  

  1. Wayfair 

O Wayfair, por sua vez, atua com o setor de móveis, uma fatia de mercado aquecida no país. A venda de móveis e decoração representa 12% do total de vendas geradas no comércio eletrônico de varejo nos EUA.   

Para 2021, a estimativa é que os gastos dos consumidores norte-americanos em móveis e roupas de cama chegue a US$119.8 bilhões. 

Como abrir uma empresa nos EUA  

Para aproveitar os benefícios do mercado dos Estados Unidos é preciso abrir uma empresa no país; todo o processo de business formation é simples e pode ser feito remotamente. Para sua tranquilidade, não é preciso preparar uma série de documentos: basta ter um passaporte válido para iniciar o procedimento. Entenda o passo a passo!  

  1. Escolha um nome para sua empresa: momento de usar a criatividade. É importante conferir se o termo escolhido está disponível no Estado em que sua marca será registrada. Cheque nesta ferramenta se o nome pode ser usado!
  1. Defina a categoria da sua empresa: será necessário escolher entre as modalidades LLC ou CORP, que são semelhantes, respectivamente, aos modelos usados no Brasil S/A e Limitada, respectivamente.  Entenda as características de cada uma delas neste blog post
  1. Escolha um estado para registrar sua empresa. Muitos empresários brasileiros e latinos optam pela Flórida, que é também onde fica nosso principal warehouse. Outro estado também bastante procurado é Delaware. Uma dica é que você faça a abertura da sua empresa no mesmo estado em que terá seu warehouse.
  1. Tenha um endereço virtual: esse passo é essencial para que você possa receber correspondências importantes, principalmente relativas à abertura da empresa. Esse serviço pode ser contratado com facilidade e por preços acessíveis
  1. Prepare os documentos necessários: para iniciar as operações da sua empresa,  você vai precisar do EIN (Federal Employer Identification Number), um número fornecido pelo Departamento de Receita do Governo Federal Americano – IRS (Internal Revenue Service). Para isso, você pode contar com o apoio de empresas que fazem o processo de business formation
  1. Abra uma conta: ter uma conta em um banco americano será necessário para realizar as transações financeiras da sua empresa. 
  1. Estruture a logística do seu e-commerce: você deve estar se perguntando como é possível viabilizar o processo logístico a distância. Uma ótima opção para empresários que comandam a empresa de outro país é contar com parceiros 3PL ou Third-Party Logistics, responsáveis por cuidar da operação de fulfillment do seu negócio aqui dos Estados Unidos. 

Na prática, eles recebem a mercadoria, organizam no warehouse (depósito), preparam a embalagem e enviam para o cliente final. 

Você, de outro país, consegue acompanhar toda a movimentação através de um software usado pela empresa parceira: pedidos, preparo, envio e recebimento pelo seu cliente. 

FBA ou Fulfillment By Amazon 

Quem vende na Amazon pode contar com o FBA, um modelo em que os produtos dos lojistas são armazenados e enviados pela própria Amazon. A opção oferece vantagem competitiva, uma vez que os vendedores passam a ser Prime, ou seja, entregam os produtos em até dois dias úteis e com frete grátis.   

Caso o empresário opte por usar o FBA, ainda pode contar com o apoio de parceiros logísticos responsáveis por enviar seus produtos para o warehouse da Amazon, seguindo as especificações da empresa. 

Na Company Combo, o software usado na operação de fulfillment fica integrado à Amazon, o que garante uma operação automatizada e muito simples! 

Quer saber mais? Entre em contato e agende uma conversa gratuita com um de nossos especialistas!